Notícias

Assembleia dos servidores de Américo será novamente na rua, em frente à Câmara

Mais uma vez a Casa do Povo fechou as portas para a categoria

Desta vez vai ser maior! Quanto mais servidores estiverem presentes à assembleia, melhor.

A assembleia dos servidores de Américo Brasiliense, marcada para o dia 25, sexta-feira, será realizada novamente em frente à Câmara e não dentro dela. Mais uma vez, a Mesa Diretora da Câmara Municipal de Américo Brasiliense negou o pedido dos servidores municipais para fazer a assembleia dentro do prédio oficial.

[Continue Lendo...]

Últimas notícias

Nossa Visão

Comunicação e hegemonia

Já é lugar comum repetir que no Brasil não se lê quase nada. Livros, jornais, revistas e coisas parecidas não são nossa paixão. Certo, isso já é sabido, como é sabido que a mídia comercial/patronal goza de todas as facilidades da concentração de poder em suas mãos. E ela usa todas as armas para garantir o poder nas mãos da classe empresarial, sem nenhuma preocupação com a objetividade, a imparcialidade e consequentemente a verdade.
De uns anos pra cá, muito se fala da democratização da mídia. Sim, reclamamos do poder das seis ou nove famílias que detém rádios, Tvs, jornais e revistas. Reivindicamos até uma “reforma agrária” nas ondas magnéticas.
Tudo isso é mais do que justo e necessário, mas precisamos ter coragem de olhar para os passos que nós de esquerda poderíamos dar e não damos. Quem nos impede de criar nossos jornais e revistas? Jornais para disputar a hegemonia na sociedade, como nos ensinou Gramsci.
Lênin, em 1901, respondia à questão “Por onde começar?” de maneira muito direta: “por um jornal político para toda a Rússia”, escreveu. Hoje ele falaria do uso de todas as mídias, do jornal ao rádio, à TV e a todo o arsenal da mídia eletrônica. Hoje, não se trata mais de um jornal único, como de um partido único. A experiência das lutas do século 20 nos ensinaram que podemos fazer vários jornais no nosso campo de esquerda. E, o Brasil de Fato é apenas um exemplo de que se pode fazer nossa imprensa. Do roxo ao cor de rosa, passando pelo “vermelho, vermelhinho, vermelhão” são variações legítimas do campo da esquerda. Cada um defende sua visão de mundo, com sua sensibilidade específica.
Mas o que precisamos é comunicar, divulgar, disputar nossa visão de mundo. Apresentar, propagandear e desfraldar nossos valores, totalmente antagônicos aos valores da classe patronal muito bem apresentados por toda a mídia patronal.
É possível parar de choramingar e fazer nossos jornais, revistas, rádios e usar todas as ferramentas eletrônicas. Para isso precisamos dar vários, muitos passos. Mas o primeiro é nos convencermos que sem uma comunicação politizada, diária, muito bem feita e escrita ou falada na língua dos “normais” não conseguiremos convencer milhares e milhões de nossas propostas. A batalha da hegemonia exige convencimento e força. Força das nossas organizações, força das instituições e das leis que impusermos. Convencimento é pela nossa comunicação. Por isso vamos criar nossos instrumentos de comunicação, os mais unificados possível, para construir o “outro mundo”: um mundo socialista.

Artigo originalmente publicado na edição impressa 450 do jornal Brasil de Fato.
[Continue Lendo...]